Criança detetada com escabiose encontra-se em tratamento
in

Criança detetada com escabiose encontra-se em tratamento

Situação não é motivo para alarme

Depois de ter sido divulgado um caso de escabiose, vulgo “sarna”, em Ferreira do Zêzere, detetado no Centro Escolar de Ferreira do Zêzere, o mesmo já se encontra em tratamento.

Após contacto da OvoTV, a Professora Isabel Saúde, Diretora do Agrupamento de Escolas de Ferreira do Zêzere esclareceu que “remos de facto um caso de escabiose no Centro Escolar, diagnosticado e em tratamento. De momento está tudo a decorrer conforme previsto e não se justifica nenhuma situação de alarme”.

A escabiose, vulgarmente designada por sarna, é uma doença contagiosa, deteta-se pelos sintomas e lesões da pele em estados mais avançados.

Os sintomas são principalmente a comichão na pele, sobretudo nas regiões entre os dedos, pregas (pulsos e cotovelos) e nas costas. Pode também haver pequenas zonas da pele com sinais de vermelhidão.

Não é transmitido por uma bactéria: não é uma doença infeciosa. É transmitida por um parasita, um ácaro. Não tem período de incubação: pode iniciar-se os sintomas ao fim de um dia de contágio ou após mais tempo.

Segundo a responsável do Agrupamento de Escolas de Ferreira do Zêzere, “ao espaço físico não é necessário fazer desinfestação: é uma doença de contágio pessoal. Não sendo uma doença de declaração obrigatória ou de evicção escolar, devem os encarregados de educação ser informados da existência da doença na escola e sensibilizados para recorrerem ao médico de família no caso de estarem doentes”.

A Associação Nacional de Farmácias, após o problema que afetou diversos profissionais de saúde em Viseu, divulgou que a manifestação da escabiose acontece quando os ácaros se instalam na pele e à medida que se vão movimentando, criam pequenos “túneis” ou “galerias”, nas quais as fêmeas colocam os ovos, provocando lesões de aspecto semelhante a pequenas picadas, que causam muita comichão e desconforto.

Estas lesões podem surgir em várias zonas do corpo, sendo mais frequentes nas mãos, entre os dedos, nas axilas, nos seios e no tronco, e não devem ser coçadas, pois podem dar origem a feridas e infecções, agravantes da doença.

A transmissão é feita pelo contacto directo entre pessoas e, mais raramente, através de objectos e roupa, uma vez que o parasita sobrevive pouco tempo fora do hospedeiro.

O tratamento é feito através da aplicação de um medicamento sobre a pele, que elimina todos os ácaros. Procure o seu farmacêutico, ele saberá dar-lhe todas as indicações quanto à terapêutica adequada e à melhor forma de a efectuar.

O doente deixa de ser contagioso umas horas após a aplicação do medicamento, mas as lesões e a comichão podem permanecer durante algumas semanas. Neste caso, pode utilizar um creme hidratante adequado para aliviar a comichão e a irritação.

Na eventualidade de as lesões se apresentarem muito avermelhadas, com pus ou dor, poderá ser sinal de infecção. Nessa altura deverá consultar o seu médico de família.

Sobre a prevenção de reinfestações, a Associação Nacional de Farmácias esclarece que além do tratamento, é importante lavar toda a roupa, incluindo a roupa de cama, peluches, bonecos e outros objectos que possam estar infestados, a uma temperatura elevada (pelo menos 60ºC).

No caso de objectos cuja lavagem não seja possível, coloque-os dentro de sacos de plástico selados durante, pelo menos, três dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Centro Hospitalar do Médio Tejo recebeu nova VMER

Centro Hospitalar do Médio Tejo recebeu nova VMER

Detidos por tráfico de estupefacientes durante uma penhora

Detidos por tráfico de estupefacientes durante uma penhora