Vespa Asiática, uma realidade cada vez mais presente na região

Já foram identificados dois ninhos no concelho de Ferreira do Zêzere e em Ourém as vespas estão a dizimar colmeias

0
138
Vespa Asiática, uma realidade cada vez mais presente na região

A Vespa Asiática ou Vespa Velutina é uma espécie de vespa não-indígena, predadora da abelha europeia, com comprimento médio de cerca de 2,5 centímetros.

Proveniente de regiões tropicais e subtropicais do norte da Índia, do leste da China, da Indochina e do arquipélago da Indonésia, a sua área de distribuição ocorre nas zonas montanhosas e mais frescas.

Surgiu na Europa por introdução involuntária em 2004 no território francês por via marítima e as autoridades francesas desconfiam que vieram num carregamento de bonsais, proveniente da China e descarregado em Bordéus.

A presença desta vespa foi confirmada em Espanha em 2010, em Portugal (na região do Alto Minho) e na Bélgica em 2011 e em Itália em finais de 2012.

Em 2014 tinham sido detetados no nosso país apenas 280 ninhos desta espécie de vespa e hoje, já se perdeu a conta aos ninhos de Vespa Asiática encontrados em Portugal, mas este número atinge já os muitos milhares.

A espécie, cuja distribuição nacional se encontrava inicialmente restrita ao Noroeste do país, tem progressivamente alargado a sua área para sul e já se encontra confirmada a sua presença com ninhos em vários distritos como Coimbra, Leiria, Santarém, Castelo Branco, Guarda e em alguns casos pontuais no Alentejo e Algarve.

Na nossa região já foram identificados centenas de ninhos, dois dos quais no concelho de Ferreira do Zêzere.

Os principais efeitos da presença desta espécie manifestam-se em várias vertentes, sendo de realçar na apicultura, por se tratar de uma espécie carnívora e predadora das abelhas e para a saúde pública, pois não sendo mais agressivas que a espécie europeia, no caso de sentirem os ninhos ameaçados reagem de modo bastante agressivo, incluindo perseguições até algumas centenas de metros.

Em termos económicos, as estimativas apontam que a Vespa Asiática possa provocar uma diminuição da produção de mel, a nível nacional, no valor de 5 milhões de euros.

Como identificar a Vespa Asiática e os seus ninhos

As características que permitem distinguir esta espécie de outras espécies de vespa habituais no nosso país são o facto de possuir as pontas das patas amarelas e o abdómen escuro, com uma fina faixa amarela e apenas um segmento amarelo.

Como identificar a Vespa Asiática e os seus ninhos

O Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária disponibilizou um folheto que ajuda a melhor identificação desta vespa e as suas diferenças para a vespa europeia, podendo fazer download do mesmo aqui.

Os ninhos têm cerca de um metro de altura e oitenta centímetros de diâmetro, em árvores com mais de cinco metros de altura e são construídos na primavera, preferencialmente em pontos altos e isolados.

Vespa Asiática, uma realidade cada vez mais presente na região
Crédito da Foto: Diário de Viseu

A entrada e saída dos ninhos é feita por um orifício lateral e há casos em que os ninhos assumem forma e localização diversa, escondidos no solo ou nos beirados de habitações. Os ninhos primários têm cerca de cinco a dez centímetros de diâmetro.

O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas disponibilizou um folheto que ajuda a melhor identificação dos ninhos de Vespa Asiática, podendo fazer download do mesmo aqui.

Detetou e identificou a Vespa Asiática e os seus ninhos?

Para informar o avistamento de ninhos de Vespa Asiática e o inseto deverá passar a utilizar a Plataforma SOS-Vespa, de acordo com as instruções que se seguem.

Após o acesso à Plataforma, para se registar deve clicar em “login” (sobre a barra da direita, no canto superior), no qual abre uma caixa de texto e deverá clicar novamente em “Criar conta”, onde é indispensável o preenchimento de um simples formulário.

Após clicar em “Submeter” receberá um e-mail com um link necessário para a activação da sua conta, após o qual poderá efectuar o login.

Ao clicar em “Submeter” é visível a seguinte mensagem “O seu registo foi efectuado com sucesso, receberá um e-mail quando este for ativado”.

Após efectuar o processo de criação de conta o utilizador receberá um e-mail com um link de activação da conta.

Após clicar no link referido no e-mail, o utilizador tem acesso à mensagem “A sua conta de utilizador foi ativada com sucesso”.

Para proceder à comunicação de localizações de Vespa velutina (inserção / georreferenciação de ninhos ou avistamentos) através da Plataforma SOS-Vespa, necessita estar previamente registado como utilizador.

Depois de activar a conta de utilizador, sempre que queira entrar na Plataforma deverá clicar em “login” e preencher o seu nome de utilizador e senha de acesso, e terá acesso ao conjunto de funcionalidades através da barra no lado direito do monitor.

Seleccionando “Ninhos”, após clicar no ícone assinalado com +  deverá clicar no mapa (no local onde observou a existência do ninho), o que abre uma caixa de texto na qual deverá preencher os campos que caracterizam a sua observação.

Os campos assinalados com (*) são de preenchimento obrigatório. O procedimento é semelhante caso queira registar o avistamento de vespas, devendo seleccionar “Vespas”.

Após o preenchimento do formulário deverá clicar em “Guardar”.

Outras formas de comunicar o avistamento da Vespa Asiática e dos seus ninhos pode ser efetuadas através do preenchimento de um formulário e envio para a Câmara Municipal da área onde ocorreu a observação e poderá também solicitar a colaboração da junta de freguesia mais próxima do local de deteção ou suspeita, para o preenchimento do formulário.

Deverá, sempre que possível, ser anexada fotografia da vespa ou do ninho, para possibilitar a sua identificação.

Pode também contactar a linha SOS AMBIENTE através do número 808 200 520 e neste caso o observador será informado do procedimento a seguir para a efetiva comunicação da suspeita.

No concelho de Ferreira do Zêzere pode contactar ainda o Serviço Municipal de Proteção Civil através do telefone 249 360 155.

Qualquer informação, comunicada através dos meios atrás referidos, será encaminhada para a Câmara Municipal correspondente ao local de deteção ou suspeita, que dará o devido seguimento ao processo.

No entanto, não existe enquadramento legal para a atuação dos meios dos municípios em locais privados, problema que diversas entidades tem empurrado e muitos municípios recomendam os privados a contratar empresas de controle de pragas para exterminar e remover os ninhos.

Em caso de necessidade de identificação de exemplares, deverá proceder-se ao seu envio para o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, que fará a respetiva confirmação e a confirmação deverá ser sempre reportada ao portal SOS-Vespa, que centraliza a informação recebida.

A destruição dos ninhos deve ser feita com equipamento de protecção e seguindo as orientações constantes no Plano de Ação.

Nunca devo usar armas de fogo (por exemplo, armas de caça), mesmo no caso de difícil acesso aos ninhos, pois este método só provoca a destruição parcial do ninho e contribui para a dispersão e disseminação da vespa asiática por constituição de novos ninhos.

Na ausência ou perda da rainha, esta espécie tem a capacidade de as obreiras se transformarem em fêmeas fundadoras e construírem novos ninhos.

Se, no local, encontrar uma fita do Serviço Municipal de Proteção Civil, é sinal de que o ninho já está a ser intervencionado e se encontra em monitorização, sendo removido entre 42 a 72 horas.

Armadilhas artesanais para apanhar a Vespa Asiática

Para muitos apicultores as armadilhas artesanais, para apanhar a Vespa Asiática, pode ser uma solução, pois diz-se que são eficazes e por tal dizem ser necessário começar a colocar as armadilhas.

Para fazer as armadilhas artesanais é preciso arranjar garrafas e garrafões de plástico e aqueles que compramos com água são os indicados.

Este método tem sido utilizado nos últimos anos e dizem que à falta de melhor até tem resultados satisfatórios.

A armadilha consiste em cortar a parte superior do garrafão ou garrafa, colar essa parte no garrafão em forma de funil, para que as vespas entrem pelo orifício, da rolha e depois não consigam sair.

No interior deve ser colocado um atrativo com 50 ml de vinho branco, 50 ml de groselha e 50 ml de cerveja preta, sendo que a partir de maio deve substituir a groselha por carne ou peixe cru, preferencialmente fígado, visto as vespas procurarem proteína.

Vespa Asiática identificada na região

Segundo o portal SOS-Vespa, no concelho de Ferreira do Zêzere foram identificados dois ninhos, o primeiro no passado mês de julho, no beirado duma casa na freguesia da Igreja Nova do Sobral, tendo sido exterminado e removido e o outro, na freguesia de Ferreira do Zêzere, no passado mês de setembro, mas sendo desconhecida a situação atual.

Na região envolvente ao concelho de Ferreira do Zêzere tem sido detetados centenas de ninhos e no concelho de Ourém os apicultores sentiram este ano e pela primeira vez, o impacto na produção de mel, tendo registado perdas elevadas e há apicultores que perderam metade das colmeias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here