Por que morrem tantas pessoas com tratores em Portugal?
in

Por que morrem tantas pessoas com tratores em Portugal?

Acidentes continuam a aumentar e com consequências cada vez mais trágicas

Homem de idade avançada, com pouca instrução, traído pelo cansaço. São três características a ter em conta para traçar o perfil da maioria das vítimas de acidentes com tratores agrícolas, uma realidade em que Portugal ocupa lugar de destaque.

Só nos últimos cinco anos, morreram 358 pessoas nesta situação. E este vai ser o tema de hoje, na Frazoeira, pelas 14h30, onde terá lugar uma sessão de informação e sensibilização de “Segurança na Utilização de Máquinas Agrícolas”.

Esta sessão, integrada no mês da Proteção Civil, vai decorrer no salão da Filarmónica Frazoeirense e será apresentada pelo Engenheiro Virgílio Santos da DRAPLVT, com a presença do Engenheiro Luís Filipe Sousa, Delegado Regional do Ribatejo e do Engenheiro Paulo Monteiro, Delegado Regional do Oeste da Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo. Participam também nesta ação de informação, elementos da GNR.

Segundo Augusto Ferreira, coordenador técnico da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri), “os acidentes com tratores em Portugal são, infelizmente, demasiado regulares. Há mais de uma vítima mortal por semana”.

Mais de 50% dos acidentes com vítimas mortais surge com operadores do sexo masculino, com uma idade superior a 65 anos, com baixo nível de qualificações e sinais de fadiga acentuados

Apesar de estar só na 12ª posição em termos de dimensão de superfície agrícola, Portugal é o terceiro país da União Europeia que regista mais mortes em acidentes com tratores, sendo apenas ultrapassado pela Grécia e pela Polónia.

“Os acidentes com tratores assumem-se determinantemente como a principal causa de morte no trabalho agrícola”, sublinha o mesmo responsável.

As causas dos acidentes com tratores

A maioria dos acidentes com tratores ocorre em propriedades agrícolas e são muitas vezes semelhantes: o veículo despista-se, capota e apanha o condutor, esmagando-o.

Entre as causas, Augusto Ferreira destaca o envelhecimento e a insuficiente formação dos condutores, sendo que a antiguidade e a falta de manutenção dos veículos e a não utilização das estruturas de segurança são outros perigos a ter em conta.

“Aproximadamente 50% dos tratores têm mais de 20 anos. Ou seja, tratores para os quais ainda não existia a obrigatoriedade de possuírem estruturas de segurança anti capotamento”, explica.

O responsável da Confagri sublinha ainda a insuficiente avaliação dos riscos relacionados com a inclinação do terreno ou a carga transportada.

“As características da atividade agrícola nacional são também elas um fator de risco acrescido, em particular pelas caraterísticas estruturais das explorações, que em grande parte do território são constituídas por parcelas com acentuado declive e uma reduzida dimensão”, acrescenta.

Como alterar o cenário

De acordo com a Autoridade Nacional da Segurança Rodoviária, os acidentes com veículos agrícolas são os que apresentam a maior taxa de mortalidade.

É oito vezes superior à de acidentes com condutores de automóveis ligeiros ou pesados”, realça o coordenador técnico da Confagri.

Para atenuar este cenário, o especialista alerta para a necessidade de apoios à formação e também à substituição ou atualização dos veículos.

Augusto Ferreira defende ainda que é preciso “sangue novo”, com a atração de mais jovens para a agricultura e a “promoção da cessação da atividade de agricultores com idade avançada.”

O Governo introduziu recentemente algumas medidas para reduzir os níveis de sinistralidade com tratores e máquinas agrícolas, como a obrigatoriedade da inspeção aos tratores e da participação dos condutores em ações de formação.

“Com as recentes alterações ao Código da Estrada [decreto-lei n.º 151/2017, de 07 de dezembro], a formação passou a ser obrigatória para os condutores de veículos agrícolas da categoria II (tratores agrícolas ou florestais, simples ou com equipamentos montados, bem como os tratores agrícolas ou florestais com reboque ou máquina rebocada) e da categoria III (tratores agrícolas ou florestais com ou sem reboque e as máquinas agrícolas ou florestais pesadas, com peso superior a 3,5 toneladas)”, explicou o mesmo responsável da Confagri.

Por que morrem tantas pessoas com tratores em Portugal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Biblioteca UNESCO em Ferreira do Zêzere

Biblioteca UNESCO em Ferreira do Zêzere

Novo Espaço de Saúde em Areias (c/ vídeo)

Novo Espaço de Saúde em Areias (c/ vídeo)